1987

Adélia Prado, O Pelicano, Ed. Guanabara, p. 43, 1987, Rio de Janeiro, Brasile.

A Sagrada Face

A dentadura encravou-se? Rezai,
prometei abstinências por um ano
para que a prótese malfeita se despregue da boca.
Ó Deus, como éreis bom,
rosas, dentes postiços,
touceiras de coqueirinho,
a profusão dos milagres.
Casimiro de Abreu, que não era santo,
mas que estava nos livros,
também ele dizia, como Jó,
como meu pai e minha mãe diziam:
“um Ser que nós não vemos
é maior que o mar que nós tememos…”
Que faço agora que Vos descubro em silêncio,
mas, dentro de mim, em meus ossos,
vertiginosa doçura?
Os dentistas fazem as próteses, não Vós,
a terra é quem gera as rosas.
Desde a juventude pedi, quero ver Teu Rosto,
mostra-me Tua Face.
Então é este o esplendor,
este deserto ardente, claro,
de tão claro sem caminhos!
Esta doçura nova me empobrece,
nascer sem pai, sem mãe,
objeto de um amor em mim mesma gerado.
Flor não é Deus, terra não é, eu não sou.
Pobre e desvalida entrego-me ao que seja
esta força de perdão e descanso, paciência infinita.
Quase posso dizer, eu amo.

 

Traduzione di Pol

Adélia Prado

Segnalata da Manu

 

 

 


GUTE-URLS

Wordpress is loading infos from clicart

Please wait for API server guteurls.de to collect data from
www.clicart.it/giacomo/Displa...

Il Santo Volto

Si è incastrata la dentiera? Pregate,
promettete astinenza per un anno
perchè la protesi difettosa si stacchi dalla bocca.
O Dio, come sarete buono,
rose, denti finti,
ciuffi di coqueirinho,
la pioggia di miracoli.
Casimiro de Abreu, che non era santo,
ma che si trovava nei libri,
anche lui diceva, come Jó,
come mio padre e mia madre dicevano:
“un Essere che non vediamo
è più grande del mare che temiamo...”
Cosa faccio ora che scopro Voi in silenzio,
ma, dentro di me, nelle mie ossa,
vertiginosa dolcezza?
I dentisti fanno le protesi, non Voi,
è la terra che genera rose.
Fin dalla giovinezza ho chiesto, voglio vedere il Tuo Volto,
mostrami il tuo Volto.
Dunque è questo lo splendore,
questo deserto ardente, chiaro,
così chiaro che non c'è la via!
Questa nuova dolcezza mi impoverisce,
nascere senza padre, senza madre,
oggetto di un amore in me stessa generato.
Fiore non è Dio, terra non è, io non sono.
Povera e incapace mi abbandono a quello che è
questa forza di perdono e risposo, pazienza infinita.
Quasi posso dire, io amo.